Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A dieta dos 365 dias

Blog de nutrição. Alimentação saudável. Receitas. Acompanhamento online.

Sobre paladar, tamanho do estômago e educar-se do ponto de vista nutricional

22.11.17 | Gisèle Magno

Sabe o que é difícil? Começar! Sei que muitas vezes assombra o pensamento de quem quer perder peso ou simplesmente alimentar-se de forma mais saudável, o fantasma do que comeria antes de iniciar este processo. E ISSO É NORMAL!

Para a grande maioria de nós, a comida menos saudável ou nada saudável é realmente muito atrativa e vem associada a dias felizes, dias de festa, jantares fora ... Ou ao nosso estado emocional "tive um dia tão mau, mereço um bolinho". E parece que este sentimento em relação à comida nunca vai desaparecer ... Mas vai!

Pense um passo de cada vez. Nunca terá (a não ser que tenha alguma doença que assim o determine) que deixar de comer por completo o que quer que seja. Vai ter apenar de aprender a guardar para as ocasiões festivas e em quantidades menores que o habitual e achar isso normal. E fazê-lo, mesmo que com algum esforço inicial, conduzirá a estas três mudanças no seu organismo:

 

1. ALTERAÇÃO DO PALADAR

Se limitar o consumo de "extras" o seu paladar vai "desaprender" estes sabores e habituar-se aos novos. Caso clássico é o açucar no café! O gosto pelo doce é inato, mas se o retirar por completo, o organismo percebe que já não existe e adapta o paladar, começando a tolerar e até gostar do amargo. Muitas pessoas, que se dizem "viciadas" em doces, comentam passado algumas consultas terem experimentado uma bolacha maria ou chocolate de leite depois de semanas sem, e acharem excessivamente doce! 

 

2. TAMANHO DO ESTÔMAGO

Se comer menos e melhor, se a cada refeição der ao seu corpo não o que quer mas o que precisa, o seu estômago verifica que não há necessidade de ter o tamanho "x" porque não vem mais comida, e adota o tamanho "y" mais pequeno e confortável. Quando isto acontecer, mesmo que queira exagerar, verá que o seu limite aparece muito mais cedo. E, o desconforto do enfartamento, fará com que passe a controlar quantidades sem sacrifício.

 

3. EDUCAR-SE NUTRICIONALMENTE

Comida pouco condimentada, doces sem açucar, pão escuro, café amargo, cozidos e grelhados, estufados em crú ... pode não ser o que sempre comeu, o que sempre gostou, mas se mantiver estes hábitos por tempo suficiente, verá que passa a gostar. Por vezes, só o sentir-se bem e em melhor forma motivam esta adaptação!